Reprodução Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true

O estado de Nova York descriminalizou nesta segunda-feira (29) o uso recreativo de maconha. Quem for pego com pequenas quantidades da droga terá que pagar uma multa e não será mais preso.

Um dos maiores objetivos do governador democrata do estado, Andrew Cuomo, neste ano era legalizar a maconha. Porém, mesmo sem conseguir a meta final, ele acredita que a medida pode limpar o registro criminal de indivíduos presos por posse de quantias pequenas da droga.

Nos Estados Unidos, 11 estados já legalizaram o uso recreativo de maconha desde 2014, quando o Colorado foi o primeiro a mudar a lei. Outros 15 estados descriminalizaram a droga.

Segundo dados do FBI, cerca de 36 mil pessoas foram presas em Nova York por posse de drogas entre 2008 a 2017.

Cuomo defendeu que a receita pela tributação da droga poderia ser usada para resolver uma série de problemas e necessidades da cidade, incluindo o sistema de metrô, que precisa de reparos e atualizações. Segundo um relatório estadual, o mercado de maconha rende entre US$ 1,7 bilhão (cerca de R$ 6,4 bilhões) a US$ 3,5 bilhões (R$ 13 bilhões) por ano.

A maconha, porém, continua ilegal na lei federal, na Constituição válida em todo o país. Ela pode ser alterada dentro de cada estado.

Durante a administração de Barack Obama, os estados tinham permissão de lidar com a situação da maneira que achavam melhor, mas com Trump, o Departamento de Justiça permitiu que promotores apliquem a lei federal, mesmo em estados onde a droga é legal.