Reprodução 0550ec0e 0f5c 408b be7d cf81a3c5d8c1

Após a morte de Karl Lagerfeld, na última terça-feira (19), a mídia internacional não tem dúvidas que um dos bens mais disputados do diretor criativo da Channel será uma gatinha de estimação.

O motivo: o bichano pode ser o único herdeiro da fortuna de cerca de R$ 460 milhões deixados pelo ícone da moda.

Segundo jornais europeus, o estilista teria dito, no ano passado, que a sua gata de estimação receberia a herança caso quando ele partisse. Lagerfeld, que morreu aos 85 anos, teria deixado um testamento pronto.

Choupette, a gatinha do estilista,  já tem uma conta bancária em seu nome. Na França, pelas leis, ela não poderia ser herdeira, mas na Alemanha é possível deixar bens para animais e Karl é alemão.

A gatinha foi praticamente 'roubada' pelo estilista anos atrás.

De raça birmanesa, a felina passaria apenas um fim de semana no apartamento de Karl enquanto o seu dono original, o modelo francês Baptiste Giabiconi fazia uma viagem.

Lagerfeld ficou tão encantando com a bichana que não quis devolvê-la mais.

Logo Choupette se tornou tão famosa quanto o estilista. Ganhou perfis oficiais nas redes sociais e três funcionários exclusivos (duas cuidadoras e um segurança-motorista).

A bichana pode dividir a herança com duas ou três pessoas. Karl Lagerfeld não tinha filhos biológicos. De família direta tinha apenas uma irmã e uma meia-irmã com as quais não falava há décadas.

Queridinho mesmo era um afilhado de 11 anos do estilista. O jovem surge naturalmente também como um dos favoritos a herdar a fortuna. Sébastien Jondeau, assistente pessoal de Lagerfeld durante vários anos, também pode ser um dos herdeiros.

O fato é que Choupette já tem sua aposentadoria garantida.

Mesmo sem a herança, a gatinha já tem em sua conta bancária cerca de R$ 11 milhões. 

“Se algo me acontecer, a pessoa que ficar com Choupette não estará na miséria”, avisou o designer. "Ela é o centro do meu mundo!", dizia ele.

Alguém aí se candidata a cuidar da gatinha?