Reprodução Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true

Pelo menos 5.550 pessoas estão desabrigadas por conta do tsunami que atingiu a Indonésia no último sábado (22), segundo a imprensa local.

A catástrofe matou pelo menos 222 pessoas, deixou mais de 800 feridos e 28 desaparecidos — o Itamaraty já informou que não há brasileiros entre as vítimas.

Os principais afetados estão nas províncias de Pandeglang e Lampung, onde as ondas gigantes destruíram centenas de edifícios.

São cerca de 3.050 desabrigados em Pandeglang e 2.500 em Lampung, de acordo com a imprensa local. As autoridades da Agência Nacional de Gestão de Desastres (BNPB, na sigla em indonésio) afirmam que o número ainda deve aumentar.

O governo de Lampung está preocupado em como manter toda essa população. O estoque de fraldas para crianças e idosos, por exemplo, já está no limite.

Já outros itens como macarrão instantâneo, arroz, ovos e sardinhas ainda são suficientes, graças às doações e parcerias com empresas, ONGs e até partidos políticos.

Também existe a preocupação para que não haja mais conflitos na hora de distribuir os mantimentos para a população afetada.

Causas da tragédia

As investigações para apurar as razões para o surgimento do tsunami, que atingiu as praias ao redor do estreito de Sunda, entre Java e Sumatra, continuam. As autoridades, porém, já informaram que há relação com a erupção do vulcão Anak Krakatoa e as fortes ondas que se alastram pela região devido à lua cheia.

A Indonésia ainda está localizada no chamado Círculo de Fogo do Pacífico, uma área de constante atividade sísmica e vulcânica.